Gestão da Qualidade

Em janeiro de 2006, a Santa Casa de Piracicaba estava entre as 19 instituições indicadas pela Fehosp (Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo) para participar do Projeto de Revitalização de Hospitais Filantrópicos, numa iniciativa inédita da CPFL (Companhia Paulista de Força e Luz) através do CEALAG (Centro de Estudos Luis Ayrosa Galvão), com apoio da Secretaria de Estado da Saúde, da Universidade do Estado de São Paulo (Unesp), da CQH- Comissão de Qualidade Hospitalar do Cremesp/APM e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.


A Irmandade reunia, então, 1.265 funcionários e 266 médicos, responsáveis por uma dinâmica de atuação que garantiria naquele ano a realização de 166.618 atendimentos, com 23.917 internações e 9.007 cirurgias. O direcionamento de 60,67% de todo esse movimento ao SUS-Sistema Único de Saúde, qualificava o Hospital para o Programa de Revitalização, que tinha como objetivo a implantação de um modelo de gestão que assegurasse a excelência no atendimento, processo representado pelo Selo de Acreditação Hospitalar.


Hospital modelo - A Santa Casa de Piracicaba era, então, um dos hospitais-piloto do Projeto, que teve como marco a primeira auditoria ocorrida em 20 de janeiro de 2006 para elaboração do relatório que direcionaria o planejamento estratégico com vistas às mudanças de processos e controles gerenciais. Em 10 de maio de 2006, a Instituição recebeu o relatório completo do Projeto com os planos e ações elaborados pelo Comitê de Funcionários com orientação de consultores da CPFL/ CEALAG.


O documento disponibilizava ferramentas para aprimorar a gestão do Hospital, justificando e apontando todas as ações necessárias a esse aperfeiçoamento. O relatório previa, inclusive, adequações na área de recursos humanos, além de mudanças físicas e estruturais, bem como o tempo necessário para sua aplicação.


Estratégia - A estratégia de atuação tinha como base o roteiro de visitas do CQH, norteador dos trabalhos executados no Hospital por meio de oficinas de planejamento e reuniões semanais do Comitê Interno para acompanhamento das ações e análise dos resultados com vistas à gestão hospitalar e à gestão de pessoas e processos.


Assim, o Hospital aprimorou seus protocolos e criou manuais de normas e rotinas e indicadores gerenciais. Também investiu em educação continuada, instituindo o NADEP (Núcleo de Aprimoramento e Desenvolvimento de Pessoas) e o Setor de Controladoria Hospitalar para o levantamento e arquivamento de dados e indicadores e ampliou o processo de pesquisa com o cliente para melhor ‘feedback’ dos resultados.


O movimento pela qualidade crescia e, em 7 de outubro de 2006, durante cerimônia no Clube de Campo, a Santa Casa recebeu o Certificado de Acreditação – categoria Bronze, conferido pela CPFL/CEALAG através do Programa de Revitalização de Hospitais Filantrópicos. O título, destinado a hospitais que conseguiam atender as rígidas normas de qualidade e seguran¬ça e que se destacavam pela sua estrutura, capacitação profissional e padrão de atendimento, revelava o bom nível dos padrões de excelência que a Santa Casa de Piracicaba imprimia à assistência médico-hospitalar em suas Unidades, tornando a Instituição merecedora da confiança da população.


A partir daquele momento, o desafio, estaria na manutenção do processo que permitiria à Santa Casa de Piracicaba alcançar novos padrões de qualificação para obtenção de certificações cada vez mais avançadas. Afinal, a busca da certificação gerou um componente educacional imprescindível através do incentivo à mudança de atitudes e comportamentos e do trabalho coletivo, principalmente aquele executado por grupos multidisciplinares para o aprimoramento dos processos de atendimento.


Certificação Ouro - Depois da certificação nível Bronze, a Santa Casa de Piracicaba começou 2007 empenhando-se na conquista da Certificação Nível Ouro. As auditorias para esta nova etapa do projeto já estavam marcadas para os meses de março e novembro e, até lá, o Hospital precisaria promover uma série de ações, movimentando toda a comunidade hospitalar em torno das exigências dos órgãos certificadores.


O esforço era visível e, depois de passar pelas rigorosas inspeções realizadas pela CQH para avaliar e comprovar a eficiência do Hospital, a Santa Casa de Piracicaba foi honrada com o Certificado de Acreditação Nível Ouro. A entrega da honraria ocorreu em 29 de junho, na Área de Lazer do Hospital, e foi precedida de almoço comemorativo oferecido pela Diretoria a todos os colaboradores.


À época, o processo de acreditação era composto pelos níveis de classificação Bronze, Prata e Ouro. Graças ao empenho de médicos, colaboradores e dirigentes, o Hospital passou da acreditação nível Bronze diretamente ao Ouro. A conquista era a confirmação de que o Hospital seguia as rígidas normas de qualidade e segurança impostas pelos órgãos certificadores, atestando que todos os Setores do Hospital eram, então, merecedores da credibilidade e da confiança da população.


Para a comunidade hospitalar, a acreditação representava um grande passo rumo às mudanças e ao aprimoramento dos serviços e, neste processo, o esforço pessoal de cada colaborador apresentava-se como exemplo de comprometimento com a Instituição. O resultado referendava o excelente nível da assistência médico-hospitalar, concedendo ao Hospital o posto de referência regional em assistência à saúde.


Crescimento - Com o Selo Nível Ouro, a responsabilidade da Santa Casa era ainda maior. Não apenas com a manutenção dos padrões conquistados mas, sobretudo, com os novos esforços que deveriam ser empreendidos para a conquista de patamares de qualidade ainda mais elevados, ampliando considerável e constantemente o nível de conforto e segurança à população usuária de seus serviços.


Desta forma, em 2008, a Irmandade deu continuidade ao movimento institucional que, a partir daquele momento, teria como meta a obtenção da certificação de qualidade emitida pela ONA- Organização Nacional de Acreditação, envolvendo a todos, sem exceção, no processo que tem preparado o Hospital para as amplas e gradativas mudanças preconizadas pelo órgão certificador.


As ações obedecem a um planejamento estratégico elaborado pela Mesa Diretora, levando-se em consideração a proposta de crescimento do Hospital que tem como base o Plano Tático coordenado pelo Comitê da Qualidade com vistas ao processo contínuo de melhorias. Na prática, trata-se de ações implementadas para ampliar o nível de segurança do cliente, dos colaboradores e da própria Instituição, por meio de processos (métodos) cujos resultados apontem para a melhoria contínua da assistência, tendo-se os indicadores (dados) como ferramenta para a tomada de decisões estratégicas.