A Provedoria de Coriolano Ferraz do Amaral

Coriolano Ferraz do Amaral nasceu em Piracicaba, em 30 de julho de 1870, filho de Joaquim Ferraz do Amaral e Francisca Emília Ferraz do Amaral, de tradicional família piracicabana. Aos 16 anos, foi estudar em Salvador (BA).


Posteriormente, cursou a Faculdade de Medicina, onde colou grau em 11 de dezembro de 1896. Retornou, então, à sua terra natal, iniciando o trabalho em sua clínica particular, tempo em que se utilizava de cavalos e troles para visitar os pacientes. Casou-se com Francisca de Almeida Morato.


Em segundas núpcias, anos depois, uniu-se à Ana Morato Ferraz. Passou a integrar o corpo clínico da Santa Casa, onde ocupou todos os cargos, de médico a provedor. Por ocasião da Gripe de 1918, ficou sozinho no atendimento aos enfermos, porque os colegas também adoeceram. Às vezes, não tinha tempo para se alimentar.


De maneiras fidalgas, soube conquistar a estima de todos. Os pobres reconheciam nele não só o médico, mas também o protetor. Foi vereador, presidente da Câmara e prefeito. Elegeu-se deputado estadual de 1916 a 1920. Em 1924, eclodia em São Paulo o Movimento Revolucionário. Um comitê foi criado por Coriolano, que esteve preso, indicado como um dos cabeças da Revolução. Em conseqüência, fundou-se o Partido Independente que, em 1925, derrotou o Partido Republicano.


Em 1926, foi eleito prefeito de Piracicaba, destinando seus subsídios à Santa Casa. Provedor durante 26 anos, só desanimou quando a idade e a enfermidade o debilitaram. No Relatório assinado por ele em 1945, declara a Irmandade como um dos melhores hospitais do Estado de São Paulo, em eficiência. Faleceu em Piracicaba, no dia 7 de outubro de 1949. Coriolano Ferraz do Amaral é nome de rua, homenagem da Câmara, que o denominou gigante da filantropia piracicabana.    [Mais informações]